[vende-se tudo!]

Diante de fatos, não há argumentos. Já diziam alguns. Mas antes de formar uma opinião, prefiro ter a visão de todos os lados, de todos os ângulos. Pois ‘quem não tem teto de vidro que atire a primeira pedra’. É assim que eu penso.

A humanidade é mesquinha e egoísta. É fácil julgar, não é mesmo?

Bem… eu sei que está tudo meio sem sentido nesse post, mas acho que serve pra qualquer situação. Cada um interpreta da maneira que achar melhor, dentro do seu assunto.

Mas alguma coisa precisa fazer sentido e então vou compartilhar um texto que recebi por email. Vale a lição!

bjks da Fê

xxxxxxxxxxxxxxxxx

Vende-se tudo!

No mural do colégio da minha filha encontrei um cartaz escrito por uma mãe, avisando que estava vendendo tudo o que ela tinha em casa, pois a família voltaria a morar nos Estados Unidos.
O cartaz dava o endereço do bazar e o horário de atendimento. Uma outra mãe, ao meu lado, comentou:
– Que coisa triste ter que vender tudo que se tem.
– Não é não, respondi, já passei por isso e é uma lição de vida.
Morei uma época no Chile e, na hora de voltar ao Brasil, trouxe comigo apenas umas poucas gravuras, uns livros e uns tapetes. O resto vendi tudo, e por tudo entenda-se: fogão, camas, louça, liquidificador, sala de jantar, aparelho de som, tudo o que compõe uma casa.
Como eu não conhecia muita gente na cidade, meu marido anunciou o bazar no seu local de trabalho e esperamos sentados que alguém aparecesse. Sentados no chão. O sofá foi o primeiro que se foi. Às vezes o interfone tocava às 11 da noite e era alguém que tinha ouvido comentar que ali estava se vendendo uma estante.
Eu convidava pra subir e em dez minutos negociávamos um belo desconto. Além disso, eu sempre dava um abridor de vinho ou um saleiro de brinde, e lá se iam meus móveis e minhas bugigangas. Um troço maluco: estranhos entravam na minha casa e desfalcavam o meu lar, que a cada dia ficava mais nu, mais sem alma.
No penúltimo dia, ficamos só com o colchão no chão, a geladeira e a tevê. No último, só com o colchão, que o zelador comprou e, compreensivo, topou esperar a gente ir embora antes de buscar. Ganhou de brinde os travesseiros…
Guardo esses últimos dias no Chile como o momento da minha vida em que aprendi a irrelevância de quase tudo o que é material.
Nunca mais me apeguei a nada que não tivesse valor afetivo. Deixei de lado o zelo excessivo por coisas que foram feitas apenas para se usar, e não para se amar.
Hoje me desfaço com facilidade de objetos, enquanto que torna-se cada vez mais difícil me afastar de pessoas que são ou foram importantes, não importa o tempo que estiveram presentes na minha vida… Desejo para essa mulher que está vendendo suas coisas para voltar aos Estados Unidos a mesma emoção que tive na minha última noite no Chile. Dormimos no mesmo colchão, eu, meu marido e minha filha, que na época tinha 2 anos de idade. As roupas já estavam guardadas nas malas. Fazia muito frio.
Ao acordarmos, uma vizinha simpática nos ofereceu o café da manhã, já que não tínhamos nem uma xícara em casa.
Fomos embora carregando apenas o que havíamos vivido, levando as emoções todas: nenhuma recordação foi vendida ou entregue como brinde… Não pagamos excesso de bagagem e chegamos aqui com outro tipo de leveza..
… só possuímos na vida o que dela pudermos levar ao partir.
É melhor refletir e começar a trabalhar o DESAPEGO JÁ !
Martha Medeiros

Anúncios

Circuito Vênus RJ – eu fui!!!

OK, OK! Sei que estou atrasada pra escrever sobre este assunto, mas antes tarde do nunca!

Enfim… foi como um sonho que passou! A expectativa era tanta, que eu não me aguentava de felicidade. Quem me acompanha, sabe que eu não gostava de correr. Por um motivo muito especial, no ano passado comecei na atividade e agora não quero mais largar.

Pra quem não conhece, o Circuito Vênus é patrocinado pela Nike e é uma corrida só para mulheres. Existem 4 edições durante o ano, 2 em SP e 2 no RJ. Eu fui participar da 3ª etapa, lá no Rio de Janeiro.

Dia 30 de Outubro saímos eu e o Rô de BH para o Rio. Chegando lá, fizemos o check-in no hotel, colocamos uma roupa confortável e fomos até a Marina da Glória para pegar o kit da corrida. Me surpreendi com o tanto de coisas legais que tinha para fazer: Aula de Yoga no stand da Prana, Massagem e Test Drive no stand da Honda, customização com cristal na camiseta da corrida, massagem nos pés e maquiagem no stand da Avon, mil e um presentinhos dentro da bolsa linda que veio junto com o kit e mais outros presentinhos que foram distribuídos por lá. Fiz a customização, a massagem nos pés e a maquiagem. Saí de lá feliz da vida e ansiosa para correr no dia seguinte.

O Domingo amanheceu encoberto, sem muito sol, mas com o clima ameno. Tomamos café da manhã no hotel e fomos lá para o local da largada. Peguei o meu chip, amarrei no tênis e fui me preparar para a corrida. A largada foi às 8h e foi lindo demais ver aquela imensidão pink por todos os lados. Apesar de não ter treinado muito, corri super bem e terminei os 5k em menos de 37 minutos, 36’51” pra ser mais exata. Terminada a prova, hora de entregar o chip e pegar a medalha e o cordão com pingente de cristal, além da camiseta de finisher super charmosa. Foi demais! Agora quero correr em todas as etapas, já vou me preparar para o ano que vem!

Por hora, fico por aqui… continuo num próximo post com o relato sobre o restante do final de semana.

bjks